Planejamento Estratégico

Organização Internacional do Trabalho (OIT)

Desenvolvimento de um plano de comunicação para identificar as estratégias e a linha editorial mais adequadas para o Programa da OIT de Combate ao Trabalho Forçado. O documento apresentou um diagnóstico de como a temática é abordada por organizações similares à OIT, sugeriu uma linha editorial e um curto manual de voz. A pesquisa permitiu ainda definir editorias para a produção das peças a serem veiculadas nas mídias. Além da entrega do plano de comunicação em pdf, a equipe da Forest apresentou oralmente o conteúdo com o apoio de um prezi:

ONF Brasil

Considerando o processo coletivo de tomada de decisões, a Forest produziu um plano de comunicação de fácil acesso para alinhar as informações e expectativas da produção de conteúdo para a ONF Brasil. Em consonância com debates anteriores entre os stakeholders, o documento identificou a necessidade de registro das atividades e da memória das ações desenvolvidas na Fazenda São Nicolau (Cotriguaçu, MT). Como resultado, iniciou-se a produção de notas sobre o dia a dia na fazenda e sobre artigos científicos.

Ministério Público de Mato Grosso (MPE-MT)

O serviço de produção de conteúdo para mídias sociais demandou o planejamento estratégico. Houve a elaboração de um rápido plano de comunicação que resultou no estabelecimento de um manual de voz e de estilo de redação. O registro das informações e estratégias permite que outros profissionais possam assumir posteriormente a mídia social do projeto do MPE-MT. O documentou orientou a adoção de uma abordagem positiva que pudesse envolver os cidadãos no monitoramento das nascentes a partir de missões. O planejamento também sugeriu a criação de personagens.

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM)

Pesquisa e planejamento para a produção de uma série de quatro vídeos de 30 segundos sobre o Código Florestal. Inicialmente dois gêneros musicais foram apresentados ao IPAM para a escolha de qual seria mais adequado para a trilha sonora. Para facilitar a decisão, a equipe da Forest realizou uma rápida pesquisa sobre o perfil da audiência desses ritmos e das iniciativas realizadas por outras marcas com o apoio de diferentes cantores. Com os dados disponíveis, o instituto preferiu o feminejo. A Forest foi responsável também por desenvolver um plano de mídia e realizar contatos com emissoras para divulgar as animações e os jingles.